edição nº 12 ano 2018
outros títulos do autor
Harmonia
     
 
veja também
Colágeno: faça você mesmo!
Minha experiência de 10 dias no Irã
Máxima solariana nº16
Harmonia
Ritual da Revelação

A ONG Solaris, uma organização voltada para o desenvolvimento do ser humano, oferece dez rituais de energização, que integram mantras, exercícios e respirações, com o objetivo de ajudar o indivíduo a estabelecer contato consigo mesmo, trazendo-lhe mais confiança e alegria. Os rituais, apresentados gratuitamente aos domingos na sede da ONG, foram criados por alunos dos cursos avançados do Instituto Solaris. A partir deste mês, a Revista Solaris vai publicar a história de cada um deles.

 

Domingo: dia de Ritual de Energização no Solaris! Beneficiamo-nos da energia maravilhosa recebida através de mantras e exercícios físicos que nos são transmitidos através dos rituais criados pelos alunos do curso avançado do Instituto Solaris.


E, de repente, vem um questionamento: Como surgem os rituais? Quem se dedica à criação deles?  


Pois bem, vamos contar um pouco sobre a criação do Ritual da Revelação.


O grupo original era formado por: Agatha Bayer, Amandy Gonzalez, Juliana Canovas, Juliana Gornati, Juliana Nosenzo, Lienne Liarte, Mirian Navickis Aguiar, Neide Navickis, Rosa Maria Graziadei, Ruy C. Morais, Silvana Pedretti, Soraia Brandala e Tatiana Giatti, que, por motivos profissionais, não conseguiu concluir sua participação.


Na Mensagem dos Mestres do fim de 2013, destacavam-se dois temas: “Liberdade” e “Gestor”. Essas palavras serviram de base para a criação de dois rituais para o ano de 2014.


“Liberdade” foi o tema escolhido pelo grupo que tinha aulas aos sábados. Assim, coube a nós, à turma de quarta-feira, desenvolver um ritual sobre o “Gestor”. Mas como transmitir às pessoas essa linguagem solariana? 


A princípio, o nome escolhido foi Ritual do Ser. Mas, afinal, o que é o ser? Várias ideias surgiram e desencadearam questionamentos e discussões, e a conclusão foi a de que deveríamos buscar mais informações.  


Nas reuniões seguintes, outros nomes foram sugeridos: Ritual do Ser Superior, Ritual do Eu Superior, etc., e as ideias continuavam soltas como balões no ar, ainda sem definições concretas.


Tínhamos, como ponto de partida, dois mantras que nos foram enviados em sonhos de Soraia.


Devido às dúvidas quanto ao nome do ritual, o pânico começou a tomar conta, pois tínhamos um prazo e muito trabalho a ser feito. Vieram as “broncas” da mestra, para que o grupo se unisse em torno deste objetivo.


Em setembro, na ocasião de um dos rituais semanais, a mestra teve um insight que acabou por definir o nome tão buscado: Ritual da Revelação. Pronto, finalmente o batismo! 


Quando se tem um nome definido, fica mais fácil trabalhar o objetivo final, pois as ideias se tornam mais consistentes, começam a tomar forma, os caminhos se abrem. No entanto, a Lei Geral também chega impondo seus desafios. Duas integrantes do grupo foram obrigadas a se ausentar frequentemente.


Com o nome do ritual veio também a notícia de que mais um integrante estava a caminho: Soraia estava grávida. A alegria foi geral, pois todos sabiam como este bebê era esperado.


Para transmitir a importância do contato com o Gestor, tínhamos que falar do “Eu Conservador”, do “Eu Inovador” e do “Eu Transformador”. A tarefa era abordar o que praticamos diariamente.


Iniciamos nosso trabalho pelo Eu Conservador, cujo alimento são os quatro elementos essenciais: ar, água, fogo e terra. Graças à Soraia e ao seu conhecimento de dança e música, conseguimos dar forma aos movimentos dos elementos e definir uma música para cada um deles. O relaxamento foi descrito pela Juliana, uma médica conceituada e a “chefe” do grupo. 


A essa altura, surgiu uma questão: O que é a felicidade? Pânico, lição de casa, e mais pesquisas... E, então, na aula seguinte, Silvana apareceu com a definição mais simples e objetiva possível: “Felicidade é a ausência completa de dor”, do filósofo grego Epicuro. Nesse momento, o grupo começou a entrar em sintonia e a vitalidade cresceu.


Em seguida, trabalhamos sobre o Eu Inovador, que conta com uma belíssima meditação criada por nossa mestra Sofia. A visualização foi definida também por sugestões dadas pelo grupo. Queríamos colocar uma mensagem nessa parte do ritual. Em princípio, seriam utilizados os Contos de Nasrudim, mas a ideia não ganhou ressonância no grupo. Demos, então, lugar às mensagens taoístas.


Por fim, o Eu Transformador foi definido de forma rápida e objetiva, pois já tínhamos os mantras trazidos pela Soraia.


Precisávamos, então, redigir o texto do ritual, tornando-o claro e padronizado. Várias revisões foram feitas pelo grupo, e hoje estamos na versão número 8, concluída no ensaio geral.


Com o ritual pronto, faltava estabelecer a cor do uniforme. Acatamos a sugestão da mestra Sofia da cor preta, que reforçava a ideia de que algo seria revelado.


Nesse ponto do trabalho, quando o grupo já estava coeso e criativo, com os egos devidamente acomodados, tivemos a ideia de uma camiseta estilizada, com o nome do ritual na cor prata e o símbolo do Solaris. Partimos para a concretização, incluindo um uniforme para o mascote da turma, Caio, que está a caminho!


Agatha inscreveu nosso grupo no Whatsapp, o que nos fortaleceu ainda mais, agora com trocas diárias de mensagens, de jogos e leituras de tarô, etc.


O trabalho em grupo é um desafio para cada participante, pois temos que entender o nosso ego, assim como o dos outros integrantes. Isso faz parte do caminho evolutivo.


Chegou o dia da primeira apresentação ao público. O nervosismo, a ansiedade e a emoção estavam presentes, porém, a união também se fazia notar.  


E, para nossa surpresa, pudemos contar com a presença da Amandy, que, por questões pessoais, manteve-se afastada durante o ano. Mas ela estava lá, com sua simpatia e energia, abraçando-nos e fazendo o juramento ao nosso lado. Foi emocionante.


Isso é o que significa uma egrégora. E este é o grupo da Revelação. Revelação que veio à tona durante o ano de 2014, com compartilhamento de ideias, união ao redor de um objetivo e consciência da importância do trabalho a ser feito. 


Com este ritual chegamos ao ponto de florescimento, e isso não tem nada a ver com poder, mas com desenvolvimento individual.


Quem se envolve realmente no que faz,

Realmente se desenvolve.

É ser feliz.

É ter um projeto de vida,

Qualquer que seja ele,

Cuidar de sua roseira,

Transformar o mundo.

 

 

 

(Neide Navickis e Grupo do Ritual da Revelação)

 

 

Neide Navickis

Formada em Administração de Empresa pela USP, com especialização em Comércio Exterior e Gestão da Qualidade. Solariana desde 1995, atualmente faz parte do Grupo da Revelação.

 
 
Imprimir