edição nº 7 ano 2018
outros títulos do autor
Calorias e Preconceitos
Cabelos brancos: meu mais recente Bojador
Pode trazer um xampu anticaspa?
As fror de São Juão
O Sonhador
O equilibrista
O poder dos limites
Complexo de vira-lata? Na área da Educação Inclusiva, não!
     
 
veja também
Feng Shui: dicas práticas
Por que usamos incenso?
Máxima solariana nº18
Prontidão para mudanças
Proteção espiritual

Compartilho algumas notas que tomei da palestra que Sofia Mountian nos deu no último Domingo Cultural (03/04/16), na qual ela discorreu sobre Proteção Espiritual:


“O homem vive em três planos”

 

• Precisamos de proteção espiritual quando não temos domínio de uma situação;

• Jamais devemos pedir proteção espiritual a uma pessoa viva, pois ela não tem condições de dar, a não ser que tenha acesso a uma energia espiritual superior;

• Quando pedimos proteção, precisamos lembrar que não estamos sozinhos em determinado lugar, portanto, somos sujeitos às influencias do meio;

• O ser humano vive em três planos:

 No Plano Físico, onde pode pedir proteção pessoal;

 No Plano Vital, envolvendo especialmente o mundo corporativo: vale lembrar que cada instituição tem sua forma energética própria que se encaixa no país. Atualmente, as instituições estão energeticamente quebradas, pois o poder está em frangalhos: os interesses pessoais são colocados acima das leis. O Plano Vital perdeu a estabilidade legal no mundo inteiro, e não apenas no Brasil. Sem a ação amortecedora das instituições, a humanidade fica desprotegida. A Lei Geral não cumpre sua principal função, que é proteger a população dos imprevistos vindos de um ambiente planetário desequilibrado; 

 No Plano Universal. A Lei Geral não é eterna e não responde por tudo, enquanto, no Plano Universal, temos a proteção dos guardiões e das egrégoras, que são imortais; por isso é importante pertencer a uma egrégora. 


“É precisos saber quem você é”


• A quem pedir proteção? O que fazer?

• É preciso confiar em você mesmo; para isso, é preciso saber quem você é. Ficar no eixo; com presença (“Eu Sou”) e capacidade de se manter limpo e centrado;

• O eixo traz confiança; tolerância; serenidade;

• Antes de sair de casa: faça as práticas e coloque o “manto azul”;

• Na rua: lembre onde está; transfira o peso do corpo aos pés;

• Quem fica na divisão (esquerda versus direita, etc.) está sujeito a influências desequilibradas, pois está apoiado apenas num lado.


“Coloque-se como prioridade”


• Quando há desequilíbrio, há necessidade de regulação. As permissões são retiradas e acontece a autorregulação. Esses movimentos são cíclicos: o que está em cima desce, e vice-versa;

• Os momentos de desequilíbrio sempre foram resolvidos com radicalismo. O Judiciário tenta amenizar o radicalismo;

• Em momentos assim é importante ficar ligado a uma egrégora; mas é preciso ficar ativo na egrégora – não adianta apenas rezar: você precisa se comprometer a cuidar de si;

• Quando perceber que está sendo “engolido”: faça um “stop”; mas não fuja dos problemas; seja ativo onde pude ser – sua motivação deve ser canalizada e transformada em ação. Enfrente os problemas que dependem de você; estabeleça metas pessoais; coloque-se como prioridade.


Marta Gil

Marta Gil é consultora na área de inclusão de pessoas com deficiência; socióloga; coordenadora executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas; pesquisadora; colunista da revista Reação; associada da Ashoka Empreendedores Sociais; membro do conselho curador do Instituto Rodrigo Mendes. Autora do livro Caminhos da Inclusão – a trajetória da formação profissional de pessoas com deficiência no SENAI-SP (Editora SENAI, 2012); responsável pelo desenvolvimento da metodologia SESI/SENAI de gestão e qualificação profissional para inclusão de pessoas com deficiência. Organizou livros e publicações sobre inclusão, educação e educação profissional; tem artigos publicados; é conteudista de vídeos e de cursos de educação à distância (EAD); participa de eventos no Brasil e no exterior como palestrante.

 
 
Imprimir