edição nº 6 ano 2018
outros títulos do autor
Máxima solariana nº20
Ritual de Cura
Máxima solariana nº8
Máxima solariana nº12
Máxima solariana nº6
MÁXIMA SOLARIANA Nº3
Máxima solariana nº22
Máxima solariana nº7
Máxima solariana nº11
Máxima solariana nº10
     
 
veja também
10 museus curiosos em São Paulo
Horóscopo chinês: características de cada signo
Máxima solariana nº21
Plênita de cara nova
Máxima solariana nº15

 

 

Máximas solarianas: o que vêm a ser?

 

Imagino que todos os solarianos tenham conhecimento das Máximas criadas pela nossa mestra Sofia Mountian. São pequenas pérolas que sintetizam complexas situações do cotidiano. Elas ajudam a ter percepção da realidade objetiva, o que constitui um dos ensinamentos constantes da mestra em seus cursos. Ao obter uma clara percepção da realidade objetiva, podemos, além de evitar a subjetividade que tanto atrapalha, escolher participar da realidade de modo mais visível, bem-sucedido e transformador. 


Esta seção da Revista da ONG Solaris se dedicará à interpretação das máximas criadas pela Sofia, por meio da descrição de situações vivenciadas por mim, por outros solarianos ou por pessoas em geral. 

 

Serão descritas e ilustradas 22 das Máximas Solarianas, as que são apresentadas periodicamente durante a Meditação dos Regalos. 

 

Embora cada máxima tenha um número, iniciando-se da Máxima nº 1, a ordem de publicação delas na revista será aleatória.

 

 

MÁXIMA 15

“Quando a pessoa está motivada exercendo determinadas atividades dentro do local, ela torna-se indispensável a ele; quando a pessoa não está gostando de algo nas atividades exercidas dentro do local, ela torna-se um agente de mudança ao expressar corretamente as emoções negativas; quando a pessoa sente tédio ou indiferença ao trabalhar em determinado local, ela torna-se sua maior inimiga – ao invés de doação da vitalidade ao local, acontece a vampirização, deixando as pessoas num ambiente pesado e sem vida”.


Esta máxima veio a calhar dia desses, durante uma conversa com meu filho. E pude constatar mais uma vez o poder que as máximas têm de favorecer a percepção da realidade objetiva.

 

Meu filho é responsável por um projeto e, para a realização desse trabalho, tem seis pessoas sob sua supervisão. Ele vinha tendo problemas com uma pessoa desse grupo que se mostrava totalmente indiferente ao que as demais estavam fazendo e aos resultados a serem obtidos. Não oferecia nenhuma ajuda na solução de problemas, não emitia qualquer parecer sobre o que estava acontecendo. Por outro lado, também não reclamava de nada nem de ninguém. Estava simplesmente passiva na situação. Chegava a dormir nas reuniões que o grupo faz para redirecionar os procedimentos e rever metas e prazos. 

 

Meu filho e os demais membros do grupo estavam muito mal humorados com esse rapaz. Meu filho dizia que já não conseguia nem ouvir o que, às vezes, ele queria falar. Sentia-se indignado, inclusive, porque esse funcionário, por estar na empresa há mais tempo, ganha mais do que outros da equipe.

 

Eu estava começando a dar palpites gerais e fora do contexto, do tipo: “dê mais uma chance”, “fale com ele”, “mostre como são boas as ideias dele quando se dispõe a colaborar”. Mas percebi que eu não estava atingindo meu filho, não o estava ajudando em nada!

 

Até que recorri às máximas solarianas e me lembrei desta que ilustro hoje! Ela caiu feito uma luva na nossa conversa! O diálogo foi mais ou menos assim:

 

– No grupo, há pessoas que estão comprometidas, dão boas ideias, enfim, agem positivamente? – eu perguntei.

 

– Sim, há uns três que são assim – disse meu filho.

 

– E como você se sente em relação a eles? – perguntei.

 

– Me sinto bem! Eles são a força do grupo, estão prontos para ajudar em qualquer circunstância e são confiáveis! – me disse ele.

 

– E há no grupo alguém muito crítico, que reclama sempre do andamento lento do trabalho, do tipo de solução que vocês estão encontrando, dos erros que vocês cometem para realizar o projeto, de como já podiam estar adiantados se não fossem certas condições? – perguntei.

 

– Sim – repondeu meu filho –, já meio curioso. – Realmente, mãe, tenho dois no grupo que me infernizam com suas críticas.

 

– E como você se sente em relação a eles? – perguntei.

 

Ele parou um pouquinho e respondeu:

 

– Engraçado! Também me sinto bem! Eles “estão dentro”, estão comprometidos e vejo que, se reclamam – muitas vezes com razão –, é porque querem que o projeto ande e tenhamos os resultados que buscamos. Não me incomodam as críticas deles!

 

Então eu apresentei ao meu filho a máxima, mostrando que os colegas do primeiro grupo, os que abraçam as ideias positivamente, e também os do segundo grupo, os que criticam mas também estão envolvidos com o processo de trabalho, são colegas que trazem energia ao grupo, novas ideias, comprometimento e profissionalismo. E que o colega que estava indiferente não apenas não contribuía com nada mas retirava energia do grupo, fazendo todos se irritarem. Ele vampirizava o grupo! 

 

Meu filho aceitou prontamente essa análise. Ele percebeu objetivamente o que estava acontecendo! E foi conversar com o gerente do departamento, expondo que talvez o rapaz estivesse sendo mal aproveitado no projeto, pois gosta realmente é de fazer outro tipo de coisa. O rapaz foi transferido para outro projeto e, parece, está se dando bem e satisfeito! Final feliz! Com grande ajuda da máxima solariana!

 

 

 

Célia Maria Vasques Miraldo

É psicóloga formada pela PUC e mestre em Psicologia Experimental pela USP. Trabalhou toda a vida profissional em Educação, durante 13 anos como professora na PUC e, nos últimos 16, no SENAI/SP, na área de Avaliação Educacional. Continuou trabalhando, depois de aposentada, como consultora do SENAI Nacional, nessa mesma área. É sacerdotisa do Instituto Solaris, onde ingressou em 1993, tendo participado da elaboração do curso “Eu sou”, destinado a adolescentes.

 
 
Imprimir