revista solaris

Mexa-se

O exercício físico contribui para o bem-estar, a saúde mental, o bom funcionamento do coração e da respiração.

Mesmo sabendo disso, nem sempre é fácil conseguir tempo e motivação para manter uma prática regular de exercícios ao menos 3 vezes por semana.

Antes de iniciar a prática de uma atividade física, converse com seu médico e veja quais podem ser realizadas por você e, claro, tenha o acompanhamento de um profissional qualificado, evitando, assim, o risco de lesões.

Mas sempre haverá aquele dia ou aquela ocasião em que não conseguiremos cumprir a prática habitual dos exercícios programados. Para essas ocasiões, recomendo uma movimentação extra das atividades, não para compensar o que deixou de ser feito, mas para amenizar sua falta.

Se você tem boa saúde e disposição, pode, por exemplo, andar a pé por uns 15 minutos ou subir e descer alguns lances de escada (se morar em apartamento).

Consegue pular corda (mesmo sem uma)? Ou requebrar como se tivesse com um bambolê? Ou mesmo inventar uma coreografia para uma música de 5 minutos? Lembre-se do bebê, que, ao movimentar braços e pernas aleatoriamente, esboça o prenúncio de uma dança. Faça sua própria coreografia, nem que seja por alguns minutos.

Mas, se não houver solução, como diria Manuel Bandeira (1886-1968): “a única coisa a fazer é tocar um tango argentino”.¹

Em todo caso, mexa-se!

¹ BANDEIRA, Manuel. “Pneumotórax”. Libertinagem. www.educamaisbrasil.com.br

Maria Bovè Martinez
Solariana, profa. de português, podóloga e terapeuta corporal da linha reichiana.
Compartilhe:

veja também

edições anteriores

outros títulos do autor

Melancia

Se você quer uma fruta refrescante para a época de calor, como agora, não dispense

Na dúvida, agrião

Sempre que estiver na dúvida ao comprar os ingredientes de sua salada, dê preferência ao

Sementes de abóbora

As sementes de abóbora (nome científico: cucurbita maxima) são excelentes fontes de nutrientes e ricas

Eliminando os agrotóxicos

O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos, os quais, como explica Setsuko Kobashi