revista solaris

Pedra Shungite

Chamada de Pedra da Vida, a Shungite, parecida com o carvão, é muito antiga, com aproximadamente dois bilhões de anos. Vem do norte da Rússia, mais especificamente da aldeia Shunga, na região da Carélia.  

Tem propriedades curativas e poderosos antioxidantes, absorvendo tudo aquilo que é prejudicial à vida. Traz grande proteção contra ondas eletromagnéticas provenientes de eletrodomésticos, computadores e celulares. Acredita-se que a água de Shungite é restauradora e purificadora, ajudando a eliminar radicais livres e os efeitos danosos da poluição. Além do poder rejuvenescedor, o minério fortalece o sistema imunológico.

Desde o século 19, os médicos e terapeutas russos utilizam a Shungite como tratamento de um grande leque de incômodos, desde doenças coronárias a alergias e artrites.

A pedra reforça o brilho de pessoas fortes e com autoridade, trazendo sucesso e mais presença pública. É apreciada por quem tem opinião própria, mesmo indo contra as regras estabelecidas.

A Shungite equilibra as energias masculina e feminina, sendo Yin e Yang. Por trazer equilíbrio, destaca a elegância e desperta o poder de atração e de mistério. Ao neutralizar o ambiente, ajuda a reconquistar a harmonia dentro de casa e do indivíduo sob estresse intenso, que está em busca de clareza mental para a tomada de decisões.

Sofia Mountian
Sofia Mountian dispensa maiores apresentações – criadora da Teoria da Abrangência, fundadora do Instituto Solaris, presidente da ONG Solaris e uma das sócias da Plênita Consultoria. Sofia, no intuito de esclarecer dúvidas sobre a Teoria da Abrangência, o crescimento do ser humano e assuntos de interesse dos solarianos, escreve mensalmente na Revista Solaris.
Compartilhe:

veja também

edições anteriores

outros títulos do autor

Prosperidade

O que é a prosperidade?Se olharmos pela internet: “Prosperidade é o estado ou qualidade do

Aprendendo a mudar

Em muitas regiões do mundo circulavam histórias sobre o reino lendário chamado Shambala ou Agartha,

Mediunidade

Para escrever este artigo, consultei livros da grande médium Helena Blavatsky. Ela divide os médiuns